quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Dissertação: ô "trem" bom de escrever!!!


Cansada de ouvir em todos os cantos onde me apresento que “Dissertar é uma tarefa difícil!”, resolvi postar um modelo básico utilizado por vários autores da área para a escrita cobrada nas escolas, vestibulares e ENEM, a fim de desmistificar o caráter de complicado do texto dissertativo argumentativo.

OBS.: O modelo apresentado não é de minha autoria, já o vi em vários manuais de redação e resolvi utilizá-lo por ser o molde que sigo em meus textos.

O esquema é fácil de ser seguido: pergunta-se ao tema – Por quê? E a partir das respostas é possível escrever a dissertação.

Vejam este exemplo. Segui todos os passos e... assim, a dissertação ficou pronta sem dificuldade.



TEMA: A MORADIA É UMA NECESSIDADE ESSENCIAL AOS SERES HUMANOS.




POR QUÊ?

Recorre a fundamentos que expliquem a idéia central do texto;

Auxilia na sistematização da composição do texto;



· Direito assegurado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, ECA e outros documentos para a constituição familiar;

· Protege contra os agentes naturais do tempo, ataques de animais ou violências dos seres humanos;

· Para a realização das atividades biológicas inerentes ao comportamento dos seres humanos;

· Referência domiciliar para envio de correspondências, aquisição de emprego, etc, que torna o indivíduo cidadão;



É evidente a fundamental importância da moradia para o ser humano, porque dispõe os mecanismos básicos de proteção física e moral de cada indivíduo, por exemplo, protegê-los do perigo, agentes naturais do tempo e também garantir a cidadania. Além de ser essencial à vida humana de forma particular, ela também é importante para a vida em sociedade, de tal forma que se constitui em direito de todo cidadão.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos garante o direito à propriedade, seja ela privada ou coletiva. Direito abrangente disposto na Constituição Brasileira e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o que justifica a pertinência de uma habitação para a integridade do homem nas diversas fases da vida, principalmente, no tocante à formação familiar.

Em relação à família, a moradia representa papel fundamental na educação das crianças e adolescentes, na aquisição de responsabilidades aos jovens, na fortaleza para os adultos e idosos. Ela, em todas as instâncias, corresponde à proteção, ao cuidado dos familiares entre si, ao carinho e amor presentes em um lar.

Contudo, ainda existem no Brasil indivíduos privados do direito de ter um abrigo, carentes da proteção física e moral. São inúmeras pessoas vagando pelas ruas, morando embaixo de viadutos, ocupando os espaços considerados inabitáveis, mas visto a escassez de opções, se recolhem nesses ambientes e ali constroem seu lar.

Diante dessa situação, nos deparamos com o paradoxo presente no mundo inteiro: as disparidades em relação aos direitos assegurados por documentos em favor do cidadão e a carência de moradias dignas para a constituição familiar. Urge, portanto, alternativas que viabilizem a eficácia dessa segurança, quer seja na construção e distribuição de casas populares com eficiência e menos burocracia, quer seja na doação de lotes e materiais de construção para famílias carentes. Pois, assim como as informações da certidão de nascimento, RG, CPF e demais documentos básicos, são fundamentais para tornar um indivíduo reconhecido na sua cidade, escola, emprego, no país, a moradia também é a garantia de estar presente, poder ser ouvido, ser visto na sociedade.






Postem comentários...Aguardo as opiniões de vcs...elas me ajudam a crescer e aperfeiçoar minha escrita.


Bjs

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Mais um cordel...

Olá. Mais um cordelzinho...
Este cordel foi alterado. Leia o original na página do Jornal Mundo Jovem: http://www.pucrs.br/mj/poema-cordel-11.php
O primeiro escrito foi utilizado numa gincana escolar. Este segundo, mais aperfeiçoado, num trabalho da universidade. Ambos foram expostos em trabalhos grupais, o que justifica o texto escrito na primeira pessoa do plural, mesmo sendo de autoria exclusiva.

Não esqueçam de comentar...Bjs

>

Brasil: ontem, hoje e amanhã

(Lindiane Cardoso)


Senhoras e senhores, eis agora nossa apresentação:
Um cordel escrito na atualidade
Com efeitos do passado, alegrias e sofrimentos.
Queremos mostrar nossa brasilidade
Para um futuro próximo, promissor
Puro, livre de toda maldade.

Ontem, os europeus aqui chegaram
Com a intenção de colonizar.
Mas, quando viram tantas riquezas:
Índios, pau-brasil, ouro, começaram a explorar.
Roubaram, mataram nossa gente e terra.
E conseguiram, por muito tempo, nos aprisionar.

Negligências são inúmeras.
Melancolias causadas pela escravidão
Dos indígenas brasileiros e negros africanos.
Sofrimento, dor, lágrimas ao chão.
Para mudar eles renitiram
Usando mente, força e coração.

Conseguiram assinar documentos e leis,
Entretanto, a escravidão persistiu.
Quantos negros, mulheres, indígenas e outros
O preconceito na pele sentiu?
Já perdemos a conta de tanta intolerância.
Mas, espere aí... isso aí, a lei não proibiu?

É, tudo nesse país é proibido,
Inclusive usurpar da população,
Não só dinheiro, mas também,
A liberdade de expressão
Pela qual passou e passa
Representantes do povão.

Devemos tomar cuidado!
Alguém pode estar a nos vigiar.
Se por acaso falamos demais
Esses tempos podem voltar
E aí não teremos como

Este simples cordel terminar


Este é o passado da nossa história:
Absurdos como preconceito, exploração.
Nossa gente amargurada, sofredora
Com fome, desemprego, ilusão.
É triste ter essa certeza
Pela qual passou nossa nação.

Hoje, presenciamos intolerância e ambição.
Assistimos todos os dias só gente morrer:
Desnutrida, assassinada, doente, indignada.
Responda a pergunta: o correto é deixar o rio correr?
Não, não é. Enquanto houver sol, existirá esperança.
Será que é muito? Chega de sujeira. Só queremos viver.

Este Brasil que temos está cheio
De corrupção, desmatamento, violência.
Não é este o país que queremos.
Temos que usar nossa consciência
Para mudar a realidade brasileira.
Vamos com força vamos com renitência.

Não podemos aceitar
Que continuem assim:
Queimadas, nepotismo, roubos
Predominando o “só para mim”.
Vamos lá, incansáveis, renitentes
Queremos ter outro fim.

As queimadas só favorecem
Os fazendeiros milionários
Que limpando seus pastos
Não são nada solidários,
“Que se danem as florestas!”
Assim pensam, esses mercenários.

Ah, e alguns “poderosos políticos”
Com a ganância ultrapassando o coração.
Roubam do povo o emprego,
A saúde, dignidade, educação.
Sem falar do nepotismo
Muito praticado no interiorzão.

Contudo, caros conterrâneos

Busquemos nossa brasilidade

Somos um país com problemas

Assim como outros, não é verdade?!

Tudo bem, temos defeitos, erros

Mas veja nem tudo é infelicidade.


A nossa gente é única

Onde já se viu tanta mistura

São europeus, asiáticos, africanos

Israelenses, indígenas, cada figura!

Isso só nos favorece

Deixando mais rica nossa cultura.


Os brasileiros tem características

Grandiosas, dignas de louvação:

Solidariedade, sabedoria, amor,

Inteligência, alegria de montão;

E isso tudo mesmo diante

De intensa submissão.


Temos muitas tristezas

Mazelas para chorar.

Porém, não podemos

Nossos olhos fechar

Diante toda beleza

Desse povo singular.


Vamos exaltar o Brasil!
Ele não é só um país sem igual.
Nossas indignações são a garantia

De um país livre do mal.
Busquemos as glórias, alegrias
Cantemos nossa identidade nacional.



sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

"Malinar" e "curiar", passos para as descobertas sadias!


"Malinando" no guarda-louças do meu avô encontrei entre seus pertences um arquivo histórico, ou melhor, mais que isso, entre as notas de dinheiro antigo, cartas, fotos e outros registros de anos passados pude refletir e perceber quão valioso tesouro temos à nossa disposição por meio da curiosidade, sendo desprezado, substituído pela instantaneidade do mundo tecnológico. O valor deste tesouro é, nada menos que o PRAZER DA DESCOBERTA, o "curiar" é, assim, conseguir (re)construir por si só o mundo em nosso entorno. Meu prazer, como é do conhecimento de muitos, minha forma de (re)construir o mundo é ESCREVENDO. E, foi "curiando" o guarda-louças do meu avô, "malinando" em objetos antigos que o meu desejo de escrever e expor minha descoberta se manifestou.
Então, podemos concluir com exatidão que a curiosidade é, comprovadamente, a mola propulsora das descobertas. Como diz Rubem Alves: ela é "uma coceira nas ideias". Nos faz "matutar"
... Veja bem, "curiar" as coisas é descobrir o porquê delas existirem, qual a função, como usá-las, é, nada menos que, conhecer "o objeto" , até então, distante de nós. Por isso, é de fundamental importância permitir, dar espaço, promover brechas para a curiosidade. Quando se é pai ou mãe é aconselhável deixar materiais (que não ofereçam risco) acessíveis aos olhos e mãos curiosos dos filhos. Quando se é educador esta habilidade e/ou capacidade pode ser estimulada por meio de histórias contadas superficialmente, ou as temíveis perguntas sem resposta óbvia, que requerem uma apuração maior, um tempo de reflexão e busca criativa, sadia. Isto tem faltado em nossa vida. A acessibilidade disponibilizada pela internet e outros meios de comunicação instantânea nos deixa saturados de respostas rápidas, cabais, poda o nosso pensar, tão essencial à nossa existência. Por falar nisso, pensemos: "Existe a plenitude?" Com tanta informação pronta, muitos acham que sim. Mas, o que ocorre, na verdade, é uma "pane em nosso sistema" nervoso, cognitivo, mental e até físico...(pense no aumento de enfermidades humanas devido ao uso excessivo do computador e do comodismo moderno). Bom, mas isso, já é assunto para outro post. Por enquanto, deixo, somente, estas reflexões aguardando comentários para que ela nunca se esgote e, sim, se complete.


Lindy Cardoso