sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

"Malinar" e "curiar", passos para as descobertas sadias!


"Malinando" no guarda-louças do meu avô encontrei entre seus pertences um arquivo histórico, ou melhor, mais que isso, entre as notas de dinheiro antigo, cartas, fotos e outros registros de anos passados pude refletir e perceber quão valioso tesouro temos à nossa disposição por meio da curiosidade, sendo desprezado, substituído pela instantaneidade do mundo tecnológico. O valor deste tesouro é, nada menos que o PRAZER DA DESCOBERTA, o "curiar" é, assim, conseguir (re)construir por si só o mundo em nosso entorno. Meu prazer, como é do conhecimento de muitos, minha forma de (re)construir o mundo é ESCREVENDO. E, foi "curiando" o guarda-louças do meu avô, "malinando" em objetos antigos que o meu desejo de escrever e expor minha descoberta se manifestou.
Então, podemos concluir com exatidão que a curiosidade é, comprovadamente, a mola propulsora das descobertas. Como diz Rubem Alves: ela é "uma coceira nas ideias". Nos faz "matutar"
... Veja bem, "curiar" as coisas é descobrir o porquê delas existirem, qual a função, como usá-las, é, nada menos que, conhecer "o objeto" , até então, distante de nós. Por isso, é de fundamental importância permitir, dar espaço, promover brechas para a curiosidade. Quando se é pai ou mãe é aconselhável deixar materiais (que não ofereçam risco) acessíveis aos olhos e mãos curiosos dos filhos. Quando se é educador esta habilidade e/ou capacidade pode ser estimulada por meio de histórias contadas superficialmente, ou as temíveis perguntas sem resposta óbvia, que requerem uma apuração maior, um tempo de reflexão e busca criativa, sadia. Isto tem faltado em nossa vida. A acessibilidade disponibilizada pela internet e outros meios de comunicação instantânea nos deixa saturados de respostas rápidas, cabais, poda o nosso pensar, tão essencial à nossa existência. Por falar nisso, pensemos: "Existe a plenitude?" Com tanta informação pronta, muitos acham que sim. Mas, o que ocorre, na verdade, é uma "pane em nosso sistema" nervoso, cognitivo, mental e até físico...(pense no aumento de enfermidades humanas devido ao uso excessivo do computador e do comodismo moderno). Bom, mas isso, já é assunto para outro post. Por enquanto, deixo, somente, estas reflexões aguardando comentários para que ela nunca se esgote e, sim, se complete.


Lindy Cardoso

2 comentários:

Paula Laranjeira disse...

Adoro "malinar"! Utimamente tenho "malinado" em blogs.Delícia! mas antes mexia em coisas aqui em casa. E cada dia fui descobrindo coisas diferentes para malinar...Adoro conjugar este verbo. Assim ó: Eu malino, tu malinas e nós descobrimos preciosidades...rsrs q tal?
bjs miga

Lindy disse...

Sempre malinei muito.Desde criança, tenho esse adorável hábito.Nunca foi visto com bons olhos, principalmente, pelos alvos da minha malineza.
E hoje, mais do que nunca, compreendo que malinar é preciso!
Conjugo o verbo juntamente com você!
Bjs...
Obrigada pela leitura dos meus textos fico muito contente por sua atenção!